O Poder Dos Medicamentos Naturais

A primavera chegou… E eu sou um bocadinho mais feliz por sentir os dias de calor mais próximos. Adoro o bom tempo, os dias cheios de luz, que duram até tarde…

Mas como as estações já não são o que eram, já sei que o calor ainda vai demorar a chegar. Ainda há muitas constipações e gripes por aí, inclusive aqui em casa (primeiro inverno em que a princesa anda na escola, já se sabe).

Não gosto de abusar dos medicamentos. Hoje em dia, por tudo e por nada, são receitados antibióticos, paracetamois, ibuprofenos… Com este excesso de utilização os medicamentos vão perdendo o efeito desejado, deixando de ser eficazes quando são realmente necessários. As inflamações são, nada mais nada menos, do que uma reação benéfica do organismo, indicam que o sistema imunológico está a combater os micróbios que o atacaram. Reduzir a inflamação com um químico faz diminuir os sintomas mas nem sempre colabora na cura.

O nosso corpo tem a capacidade de se curar a si próprio, só temos de lhe dar condições para isso. “Sopas e descanso”, já diziam os nossos avós… E é bem verdade. O descanso, a boa alimentação e a hidratação, seriam suficientes para ajudar no processo de cura. O problema é que atualmente ninguém tem tempo para ficar em casa a recuperar. O ritmo de vida exigente que levamos não nos permite cuidar de nós, da forma mais correta. Lembro-me de quando era pequena e ficava com gripe, os meus pais não me deixavam sair da cama e muito menos do quarto. Ficava resguardada, em descanso, até ficar melhor. Acho que esse bom hábito se perdeu, já ninguém faz isso…

Existem alimentos considerados verdadeiros medicamentos naturais, que podem ajudar no combate às infeções. Aqui deixo alguns deles:

Alho: Antibacteriano natural. Para beneficiarmos das suas propriedades o ideal é ser consumido cru.

Equinácea: Antibiótico natural, a equinácea ajuda a combater bactérias, vírus, fungos e outros micróbios causadores de doenças. Reforça o sistema imunológico. Pode ser tomada como prevenção ou em situações agudas, em intervalos frequentes. Encontra-se à venda sob a forma de cápsulas nas farmácias e lojas de produtos naturais.

Gengibre: Antibiótico, anti-inflamatório, acalma o sistema digestivo, a dor de cabeça e as enxaquecas, estimula o sistema imunológico e alivia os sintomas de inflamação. Tem uma ação anti-séptica no organismo. Pode ser consumido fresco, ou sob a forma de pó. Visto ser um alimento termogénico, deve ser consumido com precaução por pessoas com tensão alta.

Açafrão (ou curcuma): É quase um anti “todos os males”. Tem propriedades anti-tumorais, antioxidantes, antiartríticas, anti-inflamatórias, antivirais, antibacterianas, antifúngicas. Pode ser usado na alimentação e em infusões.

Limão: Bactericida e antioxidante, já falei dos seus benefícios Aqui e Aqui. Pode ser usado na alimentação e em chás/infusões.

Mel: Tem acção anti-séptica. Reduz a inflamação, em especial da garganta.

Se quiserem um poderoso elixir para combater gripes, constipações e reforçar a imunidade, aqui fica uma sugestão usando alguns destes ingredientes:

Chá de Limão, Gengibre e Açafrão (2 pessoas)

– 1 pedaço de gengibre fresco cortado em rodelas (cerca de 3 cm)
– 1 colh. de chá de açafrão em pó
– Sumo de 1 limão
– 2 colh. de sopa de mel (ou a gosto)
– 500 ml de água

1. Ferver a água e adicionar todos os ingredientes
2. Misturar bem, cobrir e deixar repousar por 5 minutos antes de beber

Processed with VSCO

Alguns óleos essenciais também possuem atividade antibiótica/antiviral:

– Alfazema
-Árvore do Chá
-Tomilho
-Dente de Alho
-Eucalipto

Já testei a infusão de alfazema e gosto bastante, ajuda-me na desobstrução das vias respiratórias.

Outras utilizações possíveis:

1. Combinação antibacteriana: 1 gota de óleo da árvore do chá com 1 gota de óleo de tomilho e uma gota de óleo de eucalipto.
2. Para gripes: 1 gota de óleo de dente de alho e 2 gotas de óleo de alfazema.

Juntar a cerca de 2,5l de água a ferver e inalar os vapores. Estes óleos podem ser encontrados em qualquer loja de produtos naturais.

Em caso de dúvida nas quantidades poderão informar-se na farmácia ou com os especialistas de produtos naturais. Devemos sempre analisar a resposta do nosso organismo e ver se resulta connosco. Somos todos diferentes, o que pode ser útil a uma pessoa poderá não ser a melhor opção para outra.