Mindful Eating

Hoje em dia vivemos a um ritmo demasiado acelerado… Queremos fazer tudo para ontem, encaixar mil e uma coisas na nossa agenda e, como o tempo não estica, acabamos por tomar as refeições à pressa, muitas vezes de pé, a fazer outra coisa qualquer.

Não sou isenta de culpa, de vez em quando lá me acontece o mesmo, mas esforço-me para que seja mesmo só muito de vez em quando. Em primeiro lugar pelos efeitos negativos que isso traz para a saúde: problemas digestivos como úlceras e refluxo, má assimilação de nutrientes, obesidade, etc. A hormona da saciedade só é libertada no organismo 20 minutos depois do início da refeição, pelo que comer muito rápido não nos permite ter a sensação de que já estamos satisfeitos e acabamos por ingerir mais do que devíamos.

Por outro lado porque, para mim, comer é muito mais do que enfiar alimentos pela boca abaixo e saciar a fome. Gosto de encarar o ato de comer como uma atividade algo espiritual (que me perdoem os mais céticos nestas coisas 🙂 ). Porque, ao comer, alimento as minhas células, construo o meu ADN, estimulo os meus sentidos e de certa forma fico mais ligada a mim própria.

Por isso defendo o Mindful Eating (ou traduzido para a nossa língua, o Comer Consciente). Comer devagar, mastigando bem os alimentos, sentindo o seu cheiro, sabor, textura, pensando de onde vieram e que energia me vão transmitir. E agradecendo sempre, internamente, no início de cada refeição. Não é fácil ter sempre esta postura, sobretudo porque as refeições normalmente enquadram-se num contexto social e são partilhadas com outras pessoas (e ainda bem que assim é!). Mas tento reservar algumas refeições do dia para comer sozinha (normalmente o pequeno-almoço) e praticar o meu Mindful Eating. Desta forma, estas atitudes começam a estar enraizadas em mim e acabam por surgir espontâneamente noutras ocasiões, sem que tenha de fazer qualquer esforço. Durante o meu retiro na Índia fizémos um dia de silêncio, nunca tinha experimentado e foi maravilhoso. Foi uma excelente altura para consolidar o Mindful Eating, já que não podíamos mesmo falar. 🙂

O que noto com esta atitude de Comer Consciente? Passei a mastigar mais devagar, fico mais saciada e sem os problemas gastrointestinais que eram comuns em mim. E com muito mais energia (positiva)!

Deixo-vos um desafio: Que tal tentarem adotar esta filosofia durante 7 dias, pelo menos numa das refeições? Alinham? Depois digam-me o que acharam!

Aqui ficam algumas dicas de como podem proceder:

Ver: Imaginem que são um extra-terrestre e que acabaram de chegar à Terra 🙂 . Olhem para a comida desse ponto de vista, como se nunca tivessem visto nada semelhante. Não a identifiquem pelo nome, apenas reparem nas cores, na textura, na forma… Pensem de onde terá vindo.

Cheirar: Experimentem cheirar os alimentos e descrever, para vocês, o que sentiram.

Tocar: Verifiquem como se sentem ao tocar nos alimentos. Que sentimentos vos desperta?

Antes de começar a comer: Prestem atenção ao que se passa na vossa boca, na saliva que é produzida e em como todos os sentidos estão alerta.

Saborear: Comecem a saborear e a mastigar a comida, bem devagar (pelo menos 30 vezes). Levam toda a atenção para a boca e para o que estão a fazer. Que gosto sentiram? Expressem-no! Notem como a textura dos alimentos muda com a mastigação. Tentem manter a comida na boca mais tempo que o normal.

Engolir: Quando sentirem vontade de engolir, façam-no e tentem seguir a comida até ao estômago e imaginar tudo o que isso envolve. Avisem o vosso corpo que está a receber comida boa, que o vai nutrir.

Respirar: Por um breve momento, tentem sentir a respiração e foquem-se nela. Notam alguma diferença?

Silêncio: Mantenham-se em silêncio durante todo este processo, sem qualquer distração exterior.

Depois de experimentarem vão perceber que basicamente estiveram em Meditação. Com atenção plena, não-julgamento, mente de principiante… Claro que não é possível fazer isto sempre mas acreditem que, depois de algumas tentativas, vão passar a ter uma perceção do ato de comer completamente diferente. E como consequência, a vossa atitude ao comer mudará também.