Dirty Dozen e Clean Fifteen: Que frutas e legumes devemos comprar biológicos?

Penso que as vantagens da produção biológica são do conhecimento de toda a gente mas nunca é demais relembrar:

1 – Reduz a exposição dos alimentos a pesticidas tóxicos, nocivos à saúde
2 – Mantém o sabor natural e o valor nutritivo dos alimentos
3 – Ajuda a preservar o meio ambiente e a reduzir a pegada ecológica
4 – Incentiva a agricultura de produção local
5 – No caso de produtos animais, evita a sua contaminação com hormonas e antibióticos e garante o bem-estar animal

Em relação às frutas e aos legumes, está provado que o facto de serem biológicos lhes aumenta o teor de micronutrientes (vitaminas e minerais) em 40% e de antioxidantes em cerca de 58%, comparando com os seus equivalentes convencionais. E, quanto a mim, o sabor é completamente diferente. Noto tanto nas maçãs e nos tomates… Quem não tem a sensação que o tomate que compra no supermercado não sabe a nada? O tomate biológico é bem mais docinho e sumarento.

bio_deliveryorganicos1502

No entanto, comprar fruta e legumes biológicos sai na realidade mais caro. Apesar de sabermos que é um investimento na nossa saúde, percebo que nem sempre se consiga optar pela produção biológica.  E é nesta questão que eu hoje pretendo dar uma ajuda. Como escolher o que comprar biológico?

Felizmente existe a associação americana Environmental Working Group (EWG) que divulga anualmente duas listas – Dirty Dozen e Clean Fifteen. A Dirty Dozen apresenta os 12 produtos vegetais com os menores níveis de contaminação por pesticidas e a Clean Fifteen os 15 produtos vegetais menos contaminados, num determinado ano. Desta forma, tendo conhecimento destas listas, podemos optar por comprar biológico os produtos que se encontram na Dirty Dozen e deixar para a produção convencional os produtos da Clean Fifteen. Claro que estas listas são baseadas na produção dos EUA e poderão não estar ajustadas a outros países mas, até Portugal seguir esta iniciativa e divulgar as suas próprias listas, é um bom ponto de partida.

Deixo-vos as listas divulgadas para o ano de 2016:

listas2                                                                                                            FONTE: Environmental Working Group, 2016

Tenho de referir que a produção biológica não deverá ser o único critério de seleção das frutas e dos legumes. Tal como já expliquei aqui, é também muito importante ter em conta a sazonalidade e o facto dos alimentos serem de produção local. Ao adquirir produtos importados e fora de época, perde-se muito do seu valor nutricional e estamos a prejudicar o ambiente. Por exemplo, é preferível comprar bananas da Madeira não bio do que bananas da Colômbia biológicas que chegam até nós congeladas e vários meses (ou anos) depois de  terem sido colhidas.

Em resumo, como em tudo, o bom senso é fundamental. Com estas informações penso que já poderão fazer boas escolhas, de acordo com o que sentem estar certo. Espero ter ajudado! 🙂