5 Técnicas para Reduzir a Ansiedade

A maioria das pessoas já sentiu ansiedade em algum momento da sua vida. Numa situação de maior pressão, quando alguma coisa inesperada acontece, nessas alturas é normal sentir ansiedade, é sinal de que o nosso corpo está a reagir à situação em causa. O problema é quando a ansiedade toma conta de nós e passa a ser um sentimento constante no nosso dia-a-dia. Muitas pessoas vivem em ansiedade, sem terem noção disso. Estão constantemente com medo, insegurança, necessidade de controlo, a sentir pressão, o que não as deixa viver em pleno e ser felizes.

A ansiedade tanto origina sintomas físicos como psicológicos:

Sintomas Físicos – Aperto no peito, dificuldade em respirar, falta de ar, dores de barriga, enjoos, tonturas, tremores, dores musculares, insónias

Sintomas Psicológicos – Nervosismo, dificuldade de concentração, agitação, descontrolo dos pensamentos, preocupação exagerada em relação a tudo

As causas da ansiedade variam de pessoa para pessoa e então muito relacionadas com a sua própria essência e com a forma como encara a realidade.

Falando agora em nome próprio (gosto sempre de escrever sobre assuntos que estou a experienciar ou pelos quais já passei), comecei a sentir ansiedade  desde que fui mãe. Custa-me admiti-lo, confesso… Sempre fui uma pessoa calma, positiva, pouco nervosa. Mas a maternidade trouxe-me a insegurança e o medo, para além do stress e das preocupações constantes. E não tem sido um processo fácil de resolver. Ainda hoje sinto que não sei lidar bem com o meu papel de mãe. Mas aprendi a controlar esta ansiedade e a fugir de situações que sei que a vão despoletar. Aprendi a apreciar mais o presente, sem estar sempre com medo do que pode acontecer ou a pensar no que podia ter feito de outra forma. Umas das grandes causas da ansiedade é não vivermos o momento. É termos sempre a cabeça em todo o lado menos onde deveria estar. Porque o que passou já não volta e a única garantia que temos é o que está a acontecer agora.

“Não habite no passado, não sonhe com o futuro, concentre a mente no presente.”

Buda

Deixo-vos 5 técnicas que me ajudam a reduzir a ansiedade. Pode ser que também vos sejam úteis.

1. Meditação
Está provado que a meditação pode ajudar muito no alívio da ansiedade. Porque ao meditar estamos a focar a nossa atenção no momento presente. E pode ser tão simples como sentarmo-nos com as costas direitas, de olhos fechados, e dizermos em silêncio ou em voz alta um mantra como “Estou bem”, “Estou em paz”, “Estou aqui e agora”. Se surgir algum pensamento, aceitamo-lo e afastamo-lo sem qualquer julgamento.

2. Respiração profunda
No dia-a-dia não sabemos respirar, fazendo-o apenas superficialmente. Uma respiração completa, sentindo a ar entrar desde o peito até ao abdómen e depois a sair no sentido inverso, ajuda muito a oxigenar o cérebro, a acalmar e a sentirmo-nos bem. Podemos realizá-la em qualquer lugar se nos sentirmos ansiosos, é uma ferramenta poderosa e que temos sempre à mão. Bastam poucos minutos de respirações profundas para começarmos a sentir os resultados.

3. Estabelecer prioridades
Hoje em dia achamos que somos super-homens ou super-mulheres e que conseguimos fazer tudo no mínimo tempo possível. Este comportamento (do qual infelizmente padeço) gera um estado ansioso, uma vez que só pensamos em atingir resultados. A solução é estabelecer prioridades. O que é que preciso e quero mesmo fazer? O que é que posso deixar para depois? O que é verdadeiramente importante para mim? E se nos sentirmos ansiosos, basta lembrarmo-nos dessas prioridades.

4. Escrever
Escrever o que sentimos é um “remédio” maravilhoso que nos faz acalmar, descobrir mais sobre nós próprios e focarmo-nos no que estamos a sentir. No fundo é como se fosse um desabafo, sentimo-nos aliviados e mais livres. Tenham sempre um caderninho convosco, caso apareça algum pensamento ansioso, escrevam o que estão a sentir. Ao fazê-lo estão a libertar a ansiedade.

5. Gratidão
Experimentem agradecer quando se sentirem ansiosos e vejam a maravilha acontecer. Automaticamente a ansiedade desaparece! Porque mais uma vez voltamos a mente para nós próprios e para o momento presente. E sentimo-nos bem e afortunados, ao darmos conta de que temos tudo o que precisamos para sermos felizes.