3 Técnicas de Meditação para Crianças

Há dias, no fim da aula de Yoga, falávamos sobre como o Yoga tinha entrado nas nossas vidas. Para alguns foi um interesse recente, que chegou com a necessidade de paz da idade adulta. Para outros, como eu, foi um interesse que começou mais cedo. Acho que todas estas atividades e terapias “menos convencionais” sempre me fascinaram. Mas foi só nos tempos de faculdade, talvez com a chegada de uma maior independência,  que comecei a manifestar mais vontade em conhecer este “outro mundo”. Lembro-me de ter visto um cartaz a anunciar aulas de Yoga na Cidade Universitária, em Lisboa, e de dizer para uma amiga “Vamos?”. E lá fomos nós! E acho que foram as melhores aulas de Yoga que tive até agora, muito completas, até incluiam cânticos de mantras. Claro que, no início, o espírito do Yoga parecia um mundo à parte e ainda soltávamos algumas risadas, sobretudo quando cantávamos (há 20 anos atrás, em Portugal, o Yoga não estava assim tão divulgado). Mas o tempo foi enraízando aquelas prática em nós e, contra a opinião de alguns colegas que diziam que não aguentávamos nem 1 mês, lá ficámos e sempre a gostar cada vez mais.

Desde então, e apesar de ter feito algumas pausas, o Yoga tem estado sempre presente na minha vida. E foi a minha porta de entrada para a meditação, que começou a ser diária apenas no ano passado. Mas sinto que desta vez será para durar… 🙂

Como “em casa de ferreiro espeto de pau”, os meus filhos não demonstram grande interesse por estas práticas, muito menos para a meditação. Por vezes com alguma pena minha (confesso)… Não porque não me seguem os passos (os pais têm muito esta tendência, não é?), mas porque sei que a meditação é uma ferramenta fantástica para as crianças, deixa-as mais calmas, centradas e confiantes. Para além disso fomenta sentimentos positivos como a compaixão, a gratidão e a generosidade, tão importantes nos dias que correm.

Pintando um cenário real (e não o ideal de perfeição), os meus filhos são crianças ansiosas, nervosas e pouco focadas. E, como tal, muito teriam a beneficiar com a prática meditativa. Sei que vão interiorizando alguma coisa com os meus exemplos, o que já é muito bom… Como é o caso da minha filha que, quando estou a cantar os meus mantras, costuma cantar por cima com letras inventadas por ela e que normalmente contêm muitos “cocós, xixis e afins” (ou seja, literalmente a gozar!). Mas o engraçado é que muitas vezes a apanho sozinha, a brincar no quarto, a cantar os mantras na perfeição, com a voz bem afinadinha. No fundo, está na sua meditação. 🙂

Para as crianças, sobretudo para as que não mostram muito interesse por estas atividades, o ideal é tornar a meditação numa brincadeira. Deixo-vos 3 jogos simples que costumam fazer sucesso aqui por casa:

1 – Este é ideal fazer logo de manhã, no caminho para a escola, por exemplo. Peça às crianças que, durante 1 minuto, fechem os olhos e pensem numa coisa de que gostem muito, e faça o mesmo (sem fechar os olhos se estiver a conduzir, o que costuma ser o meu caso 🙂 ). Depois todos partilham o que pensaram. É muito engraçado ver as respostas deles. Depois diga-lhes para pensarem nessa coisa especial sempre que ficarem tristes ou alguma coisa não correr bem.
Sinto que este exercício lhes dá alegria e os torna mais confiantes.

2 – Este jogo deverá ser feito ao fim do dia, idealmente antes de ir para a cama, pois induz ao relaxamento. Se num adulto a meditação leva a “olhar para dentro”, nas crianças o primeiro passo é explorarem os sentidos. Para tal, reúnam-se todos na cama dos pais e, com os olhos fechados, peça-lhes que identifiquem todos os sons que ouvem. Que sons estão mais perto? E mais longe? Quais são os sons mais fortes? E os mais suaves? De que lado ouvem os sons, direito ou esquerdo?

3 – Outra opção ideal para o fim do dia, pois é um exercício de respiração que também ajuda a descontrair e relaxar. Enquanto conta até 5, peça às crianças para imaginarem que estão a encher um balão de ar na barriga, enquanto inspiram. Depois conte novamente até 5 para expirarem suavamente o ar, sentindo o balão a esvaziar devagarinho. Outra hipótese é usar a imaginação e pensar em cores enquanto fazem este jogo, poderá ser azul claro no ar que entra e
branco no ar que sai.

Querem tentar? Experimentem e depois digam-me como correu. 🙂

  • Sabores do Ninho

    Ainda não faço Yoga e muito menos meditação com muita pena minha. Mas de momento não o posso fazer, pelo menos fora de casa. Mas uma amiga, partilhou comigo uns exercícios de Yoga para fazer durante 31 dias. Irei começá-los a por em prática amanhã. E como no Universo nada acontece por acaso, a minha filha este ano começou a ter Yoga na escola, é apenas uma hora por semana, mas tenho esperança que comece a gostar desta actividade. Pelo menos, no primeiro dia vinha super entusiasmada. A minha filha, tal como os teus filhos, também é uma criança super nervosa, ansiosa e pouco focada e para além disso ainda é bastante insegura. Gostei destas técnicas de meditação que partilhas-te. Quero muito colocá-las em prática e irei fazê-lo. Obrigada pela partilha. beijinhos

    https://saboresdoninho.blogspot.pt

    • Maria

      Obrigada eu pelo teu comentário! É muito importante cuidarmos de nós e é ótimo começares com o Yoga, da maneira que te é possível. Fazer em casa é uma boa opção para quem não o consegue fazer fora. Acho fantástico o Yoga nas escolas, infelizmente na dos meus não há. Ainda bem que a tua filha está a gostar. Experimenta esta técnicas, sendo uma espécie de brincadeira os miúdos gostam bastante. Depois diz como correu. 🙂 Beijinho!